fbpx
Image default
Críticas Games Últimos Destaques

The Elder Scrolls Online: Scalebreaker é desafiador na medida certa

The Elder Scrolls Online tem chamado bastante atenção para si em 2019. O MMORPG da Bethesda em parceria com a Zenimax Studios tem recebido diversas atualizações e conteúdos adicionais que giram em torno de uma mesma narrativa: o retorno dos dragões à Tamriel. Em agosto, recebemos o segundo DLC que dá continuidade à saga “Season of the Dragon” com duas dungeons inéditas. Senhoras e senhores, está entre nós The Elder Scrolls Online: Scalebreaker.


Veja também:


Scalebreaker segue a narrativa iniciada com o DLC Wrathstone em Março, seguido da expansão Elsweyr em junho, que apresenta o retorno dos dragões ao mundo de Tamriel e as consequências disso. No novo DLC, estão presentes duas novas dungeons: Moongrave Fane e Lair of Maaserlok. Além de novos itens e e conteúdos exclusivos. Mas vamos falar com calma de tudo isso nessa matéria completa.

A Sepultura da Lua

Se The Elder Scrolls Online é bom em alguma coisa, isso é contar histórias. A Zenimax consegue um trabalho estupendo imaginando as mais controversas situações que acontecem por trás de uma história aparentemente simples, direta e superficial. O enredo por trás da dungeon Moongrave Fane é um bom exemplo disso. Nela você enfrentará vampiros do clã Hollowfang que aprisionaram um dragão para tentar drenar sua vida.

Logicamente isso não será uma tarefa simples. Mas só pelo enredo já nos passa uma quebra gostosa de enredo do que normalmente temos visto até então nos conteúdos da “Temporada dos Dragões”. Assim, a dungeon nos leva até às profundezas das ruínas de um templo Khajiiti abandonado, onde o clã Hollowfang conseguiu subjugar um dragão e agora o mantém como prisioneiro. A surpresa aqui vem de um ex-membro da Guarda do Dragão que ajuda o clã de vampiros numa tentativa de sugar a vida do ser dracônico.

Mas chegar até o dragão capturado e os líderes dos vampiros é uma tarefa, no mínimo, árdua. E é aí que temos um dos maiores pontos positivos dessa dungeon: seu nível de desafio. Isso porque, além dos já esperados vampiros e outras monstruosidades defensoras do tempo, Moongrave Fane também apresenta um novo recurso para puzzles: rochas cúbicas deslizantes.

Porém, ao contrário do que a maioria pode pensar, os cubos gigantes não são feitos apenas para abrir e fechar portas durante a exploração da masmorra. Na verdade, boa parte dos bosses dessa masmorra utilizam alguma mecânica que envolve usos criativos desses blocos, o que dá mais dinamicidade e um ar de criatividade para às lutas. Fugindo um pouco do tradicional “apertar vários botões” para realmente pensar sobre o que estamos enfrentando.

Por fim, temos uma luta final contra o próprio Grundwulf, ao lado do dragão caído, muito criativa. Claro que este texto é livre de spoilers, mas saibam que o embate faz juz ao cuidado que a Zenimax possui em fazer com que o jogador vivencie de fato a história que está sendo contada ali, o que é excelente.

O Covil de Maarselok

Como falamos no início do texto, Moongrave Fane não é a única dungeon presente no conteúdo adicional de Scalebreaker. Assim, chegamos na dungeon que podemos considerar como o “carro-chefe” do DLC: Lair of Maaserlok. No enredo desta missão, um grande dragão acordou e os defensores de Grahtwood lutam para impedir que a estranha corrupção que emana da criatura ameace suas terras.

O interessante é que o despertar de Maaserlok foi diretamente influenciado pela libertação dos dragões dos Salões do Colosso, evento que deu início à saga do chapter Elsweyr. Aqui, o dragão corrompido desperta nas profundezas das montanhas da fronteira leste de Grahtwood. Com fome e vingança, a terrível fera destruiu a selva das redondezas e sua corrupção ameaça uma das raízes da Elden Tree.

Não conseguindo lidar com o monstro por conta própria, os Elfos da Floresta procuraram aliados para resolver o problema da corrupção e, quem sabe, terminar de uma vez com as ameaças do poderoso dragão. O design dessa masmorra é bem interessante e belo, mostrando um mundo natural em decomposição por influência do dragão corrompido. Inclusive ela faz parte de uma das principais mecâniccas da dungeon, que mantém os jogadores em constante alerta.

Assim, o principal adversário na progressão da masmorra é a própria corrupção de Maarelok, que afeta animais, plantas e o terreno em si, criando desafios surpreendentes em alguns momentos da jogatina. Entretanto, uma outra expedição de aventureiros que foi para lá antes da sua também fora corrompida e, para libertá-la, será preciso enfrentar todos os membros da equipe, o que pode se mostrar uma tarefa desafiadora.

O próprio Maarselok funciona como um boss dividido em três embates diferentes. Você não enfrentará e vencerá ele em apenas uma luta. Na verdade, por boa parte da jogatina dessa dungeon você precisa persegui-lo. Isso é interessante pois quebra o ritmo tradicional da maioria das dungeons do jogo, com o boss final aparecendo literalmente na última parte da masmorra. Entretanto, isso também deixou a narrativa da dungeon um pouco mais arrastada, o que pode desagradar alguns.

Conteúdo simples, mas de primeira

The Elder Scrolls Online: Scalebreaker vem para continuar a narrativa do retorno dos dragões à Tamriel, mas também ajuda com uma quebra de narrativa gratificante para a história. Não são simplesmente os mesmos dragões de Elsweyr que estão em situações específicas em Scalebreaker. Na verdade, aqui vemos algumas nuâncias das consequências do que aconteceu em Elsweyr, o que enriquece bastante a história.

Em termos práticos, as dungeons tem seu quê de criatividade e inovação, ao mesmo tempo que apresentam sets de armaduras inéditos e um nível de desafio gratificante. Nada tão punitivo como o que já ocorreu em outras dungeons do jogo, mas também nada didático demais que não obrigue os jogadores a pensarem estratégias bem boladas para superar os desafios.

Muitas vezes, o que pode atrapalhar bastante é a própria visibilidade de algumas lutas. Já que muitos inimigos, tanto em Moongrave Fane como em Lair of Maarselok possuem habilidades em área que literalmente segam o jogador durante os combates. Mas tudo se encaixa muito bem num conteúdo extra opcional de ótima qualidade e que dá um gostinho a mais da história por trás do retorno dos dragões e, principalmente, do retorno da Guarda do Dragão.

Related posts

Pokémon | Teorias e rumores sobre Let’s Go Pikachu e Let’s Go Eevee no Switch

Thomas Schulze

Fortnite Battle Royale | Onde vasculhar o local da lupa na tela de carregamento Mapa do Tesouro

Rodrigo Estevam

Super Smash Bros. Ultimate | “São Sakurai” apresentou um Direct primoroso

Thomas Schulze

Deixe um comentário