Image default
Críticas Games

Super Bomberman R | Uma jornada repleta de nostalgia

Quando o Nintendo Switch foi lançado em março de 2017, Super Bomberman R foi parte da incrível leva de primeiros jogos do console da Nintendo. Mesmo dividindo espaço com pesos-pesado como The Legend of Zelda: Breath of the Wild, o jogo da Konami encontrou espaço e alegrou em cheio a galera mais nostálgica, que sentia falta dos clássicos jogos do Bomberman.


Veja também:


Afinal, o jogo (desenvolvido em parceria entre a Konami e a HexaDrive) trouxe tudo que os fãs mais gostam: uma campanha principal cheia de fases bem pensadas, jogabilidade clássica e, mais importante do que tudo isso, multiplayer tanto cooperativo como competitivo para manter a galera ocupada por centenas de horas!

Edição mais do que brilhante

O melhor de tudo é que, desde o lançamento, bastante conteúdo foi adicionado gratuitamente como DLC! Foram liberadas skins temáticas de outras franquias lendárias da Konami, como Mystical Ninja, Metal Gear Solid, Castlevania e Silent Hill (e até skins temáticas únicas de cada console, como a skin de Ratchet, disponibilizada apenas no PS4, o console que usamos em nosso teste do game). O único inconveniente é que, para comprar todas as skins, é preciso farmar as moedas virtuais do game, o que consome bastante tempo, até porque esse dinheiro virtual também é utilizado como Continue durante a campanha, o que é uma decisão de design bastante questionável.

Ainda assim, é fácil relevar essas escolhas estranhas quando o multiplayer (para até quatro jogadores) é tão bom! Se você já jogou algum capítulo de Bomberman, sabe bem como funciona a jogatina: em um tabuleiro de espaço bem limitado, sua única forma de ataque é soltar bombas.

No entanto, essas mesmas bombas também podem matá-lo caso você esteja na área de explosão. Conforme o mapa vai sendo detonado, power ups aparecem, permitindo que você aumente o raio de impacto, ganhe velocidade ou coloque mais bombas no mapa por vez, o que torna tudo progressivamente mais caótico (e, logo, divertido).

Uma bomba de nostalgia

A campanha não é exatamente extensa e pode ser zerada em cerca de cinco horas, mas vale a pena jogá-la não só por ela ser um ótimo treino para o multiplayer, mas também porque há divertidas cutscenes em estilo desenho animado entre cada mundo, além de chefes criativos e realmente desafiadores ao fim de cada mundo.

Se você nunca gostou de Bomberman, não é esse jogo que vai mudar a sua opinião. No entanto, se você era fã dos jogos antigos, essa viagem cheia de nostalgia é mais do que recomendada, já que entrega doses cavalares de diversão explosiva!

[rwp-review id=”0″]

Related posts

Child of Light é uma emocionante história de amadurecimento

Gabriel Vlatkovic

Guia do Iniciante em The Witcher 3: Wild Hunt – Parte 1

Rodrigo Estevam

Sakurai explica a ausência dos Ice Climbers nos novos Super Smash Bros.

Kate Silva