Image default
Cinema Cinema e TV Últimos Destaques

Pokémon – O Filme: Eu Escolho Você é estranho, mas diverte e traz muitas boas sensações

Confesso que foi um pouco difícil escrever sobre Pokémon – O Filme: Eu Escolho Você. Ao contrário dos filmes normais da série, que hoje só chegam ao Brasil por serviços de streaming, este foi exibido em sessões exclusivas em alguns cinemas ocidentais para promover os vinte anos da franquia desse lado do planeta. Depois de tantos anos, ir ao cinema para ver Ash e Pikachu na tela grande e ainda ganhar carta exclusiva de brinde é algo complexo para explicar.

A dificuldade, entretanto, não se deu apenas pelo fator nostalgia, já que a série ganhou uma onda recente de popularidade em nosso país após o lançamento de Pokémon Go. O que me deixou indeciso ao começar a escrever foi o misto de sensações que tive durante a exibição. Foi um pouco estranho.

Veja também:

 

Basicamente, somos apresentados ao início da jornada para ser um Mestre Pokémon de Ash, onde ele chega atrasado no dia de pegar seu primeiro monstrinho e acaba com um Pikachu um tanto rebelde. Depois de um incidente com Spearows, Ash acaba avistando o lendário pássaro Ho-oh e é aí que a história começa a divergir da série original.

Ash conhece os treinadores Vera e Sérgio e passa a buscar pelo pássaro lendário, já que acreditam que quem o encontrar será o “Herói Arco-Íris”. Enquanto Vera é curiosa e quer mostrar que é uma boa treinadora para sua mãe (uma treinadora muito conhecida por vários fãs da série), Sérgio quer ser um pesquisador e conhecer monstrinhos raros faz parte de seu futuro trabalho. É legal dizer que Marshadow terá uma participação essencial nessa aventura, assim como os cães lendários Raikou, Entei e Suicune, que fazem parte da mitologia de Ho-oh.

As poucas sessões disponíveis estavam lotadas e o público presente ajudou um bocado a deixar a experiência fora do padrão. Era engraçado ver os mais velhos animados com a reinvenção de cenas clássicas que já conheciam da primeira temporada ao mesmo tempo que os mais novos pareciam felizes em ver na tela os monstrinhos que capturaram a rodo pelo celular. Todos, entretanto, suspiravam a cada Pokémon lendário, a cada evolução e a cada fan service.

Sim, o filme é recheado de fan service do começo ao fim, o que já era esperado por causa de sua premissa. Entendidos da franquia pegarão dezenas de referências incríveis o tempo todo, enquanto que a trama simples e sempre focada no poder da amizade é capaz de conquistar todas as idades e públicos. É até difícil segurar as lágrimas em alguns momentos.

Ao mesmo tempo, a história (por se tratar de um filme para crianças, óbvio) é previsível e não tem viradas arrebatadoras. Quem já conhece Pokémon conseguirá prever mais ainda cada acontecimento. Uma tentativa tosca de reviver uma cena clássica do primeiro filme da franquia e algumas decisões arriscadas dos produtores pode irritar os fãs mais saudosistas, mas se você tem mais de 12 anos e ainda gosta da série, precisa aceitar: o filme não foi feito pra você.

Alguns erros de dublagem na pronúncia de alguns Pokémon e algumas traduções de nomes também podem incomodar os mais chatos, mas gostei de resgatarem clássicos da tradução brasileira, como “Bulbassauro”, por exemplo. O fato de não ignorarem outras regiões e não se esquecerem do objetivo da jornada Pokémon de Ash também foi legal.

A história apresenta gratas surpresas e será sim a porta de entrada para muitos novos fãs, principalmente os que não tem a possibilidade (ou a paciência) de assistir as primeiras temporadas e entender toda a relação do Ash com o Pikachu.

Por tudo isso que foi difícil escrever este texto. Como fã incondicional da série, vi muita coisa que agradou e muita coisa que me deixou retraído e até com vergonha alheia na cadeira do cinema, era difícil dizer como estava me sentindo. É verdade que no geral saí de lá feliz. Vai ser interessante rever com mais calma caso o filme apareça em alguma plataforma de streaming.

Foi interessante ver tantas crianças com os pais e tantos adultos fãs de longa data assistindo e suspirando o tempo todo. As crianças sabiam os nomes de quase todos os monstrinhos, o que foi até um pouco assustador. Foi algo que só mostrou a força da franquia e o poder que ela tem de manter os velhos fãs e conquistar os mais novos.

Se eu acho que vocês devem assistir? Não tenho dúvidas ao dizer que sim, achei uma ótima experiência. Se vão gostar? Se vocês já conhecem a série e nasceram antes dos anos 2000, provavelmente não. Mesmo assim, garanto que será inesquecível voltar onde tudo começou e reviver a clássica jornada Pokémon com novos olhos.

Related posts

Outro Nintendo Direct pode acontecer em breve

Luciana Anselmo

Payday 2 | Versão do Switch é bem mais antiga que a do PC

Luciana Anselmo

Jogo escondido no Switch pode estar relacionado à Satoru Iwata

Luciana Anselmo