Image default
Cinema e TV Séries Últimos Destaques

DuckTales traz o Woo-hoo de volta em excelente animação da Disney

Quem me conhece sabe que eu não sou uma das pessoas mais otimistas do mundo, e que recebo a maioria dos anúncios de projetos com um grau pouco saudável de ceticismo. A situação piora bastante quando se trata de uma nova versão de algo que marcou minha infância e já se perdeu, com muito carinho e saudade, no tempo. Não pela ótica idiota de que meu passado está sendo destruído por mega corporações, dado que nenhum novo produto tem o poder de estragar algo que já provou seu valor, mas sim porque costumo achar uma enorme perda de tempo apelar para a nostalgia e tentar resgatar a magia de algo que já ficou para trás.

Que bom, então, que o novo DuckTales da Disney já chegou esmurrando a minha cara, e provou que eu não poderia estar mais errado ao desconfiar dele. E nossa, como é BOM estar errado!

É até difícil escolher por onde começar os elogios à estreia da série, que largou com um episódio duplo adequadamente batizado como “Woo-oo!”. De fato, a cada aparição de personagem querido, piadinha ou referência à animação clássica, eu me pegava comemorando mentalmente, com um grande sorriso no rosto.

A maior razão disso é que, diferente do preguiçoso Star Wars: O Despertar da Força, aqui a Disney não se limitou a “refilmar” uma estrutura que ela já tinha certeza de sucesso. Não, o novo Ducktales é uma animação que corre riscos, que não teme mexer no cânone nem modernizar seus personagens e convenções mais datadas.

Veja a Patricinha e Madame Patilda, por exemplo. Seria muito fácil errar a mão com elas e, em tempos de movimentos sociais fervilhando por aí, reduzir a nova Patricinha a um monte de “pandering” para os militantes da internet, e Madame Patilda a um ácido comentário sobre abuso de poder do patriarca Patinhas. Ao invés disso, ganhamos duas personagens super divertidas, espertas e engraçadas, perfeitamente integradas aos amigos ao seu redor. Proativas, intensas, mas jamais gratuitas e injustificadas em suas ações. Há até uma revelação surpreendente ao fim do episódio que pode trazer ainda mais personagens femininas fortes ao elenco!

Isso é legal porque é através desse caminho, o da moderação e de grandes roteiros que sabem tratar igualmente todos os seus personagens, que as crianças podem se divertir com um desenho ao mesmo tempo em que encontram modelos legais de comportamentos e valores para levar na vida adulta.

Falando em adultos, por mais adoráveis e hilários que Huguinho, Zezinho e Luizinho estejam no desenho, é David Tennant quem rouba o show com sua excelente dublagem do carismático Tio Patinhas, o ricaço mais rabugento e amável do mundo. O eterno Doctor Who parece estar se divertindo horrores no papel e, como os demais integrantes do elenco de dublagem, entrega suas falas com muita vida e energia, o que dá aquela sensação legal de seguir uma aventura empolgante comendo cheetos e tomando coca-cola no sofá depois de chegar da escola.

E que bela aventura nossos heróis enfrentaram na estreia da série! Logo de cara a trupe já se meteu a mergulhar nas profundezas do oceano em busca da lendária cidade perdida de Atlântida onde, claro, se esconde um valioso tesouro. Um vilão bem conhecido também está de olho nele e, a seu lado, um desavisado e azarado Tio Donald se vê obrigado a trabalhar como agente duplo para proteger seus sobrinhos, o que garante muitas risadas e excelentes cenários de comédia.

Tanto as cenas mais paradas como os momentos de ação e comédia são muito bem animadas. No começo eu admito ter ficado meio dividido com o traço, que parecia um pouco simplório demais nos trailers, ainda que as cores remetessem aos quadrinhos clássicos. Em movimento, no entanto, tudo flui de forma muito boa, com aquele bom e velho padrão Disney de qualidade.

Em pouco menos de uma hora, o episódio duplo de estreia consegue contextualizar perfeitamente as motivações de seus personagens, faz com que o espectador se importe e torça pela “nova família” do Tio Patinhas, e deixa crianças de todas as idades (inclusive este velhaco de 31 anos que vos escreve) ansiosas para ver onde a trupe vai se aventurar na semana que vem.

Não tem como pedir mais de uma estreia. Ou melhor, até tem! Ei, Disney, será que dá pra abertura nacional trazer a mesma letra da clássica abertura nacional?

Obrigadão, valeu!

Related posts

Novo Indiana Jones não terá Shia Labeouf

Thomas Schulze

Disney rompe com Netflix para lançar seu próprio serviço de streaming

Luciana Anselmo

Homem-Aranha: Longe de Casa | Filme arrecada mais de R$ 8 milhões na estreia

Rodrigo Estevam