Image default
Críticas Games

Cat Quest é uma jornada de pura fofura

Cat Quest é um jogo para Nintendo Switch, PC (steam), Android e iOS. Focado em aventura com ar de RPG, o jogo da GentleBros. é muito fofo e divertido, e pode ser comprado bem baratinho na eShop do Switch. Assista o vídeo logo abaixo, ou leia o nosso texto, para conferir nossa opinião completa sobre um dos jogos indie mais bacanas para quem gosta de gatinhos!

Veja também:

Não esqueça de curtir o vídeo e assinar o canal para ficar por dentro de todas as novidades sobre Nintendo!

Ah, gatinhos. Quem não ama gatinhos? Espero que você ame, não só porque gatinhos são incríveis, mas também porque este texto vai estar cheio deles! Afinal, estamos falando de Cat Quest, uma aventura com pitadas de RPG desenvolvida pelos Gentlebros. Como o nome do game já deixa claro, aqui você assume o controle de um simpático felino que precisa embarcar em uma perigosa aventura após a sua irmã ser sequestrada por um vilão.

A única forma de resgatá-la é viajar por um mundo aberto cartunesco em busca de missões paralelas para ficar mais forte e, assim, conseguir destruir os dragões que guardam o caminho até o confronto final. A ação acontece com uma câmera superior meio parecida com a dos títulos mais tradicionais da série Zelda, e o combate também acontece em tempo real. Guardadas as proporções de escopo e tom, a estrutura de missões já vai mais para o lado de um Skyrim ou Witcher da vida, com NPC e murais com tarefas espalhadas no mapa.

O herói pode atacar desferindo tanto espadadas como disparando magias, e cada inimigo possui diferentes vulnerabilidades. Para aprender novos feitiços é preciso encontrar os magos espalhados pelo mapa, e então pagar para fortalecer as magias. Já as armas podem tanto ser loot de calabouços como compradas aleatoriamente com a ferreira das cidades. Esse sistema é um pouco inconveniente, mas pelo menos o jogo é bem balanceado e não é preciso fazer tanto grinding para conseguir cumprir as missões.

Os combates são sempre uma mistura de ataque e esquiva enquanto se decora o padrão dos rivais, então ele cansa rápido em sessões muito longas de jogo. Para me divertir ao máximo, a melhor ideia que tive foi jogar uns 15 ou 20 minutinhos da aventura, e então dar um descanso jogando um Mario Odyssey ou Arms para descontrair, e só então voltar para mais Cat Quest.

Nessas pequenas doses o jogo é muito agradável, especialmente pelo seu senso de humor cheio de trocadilhos, além de referências divertidas à cultura pop. Tem bastante coisa escondida nessa linha escondida por Felingard, o reino do game, desde uma área chamada Twin Peaks até personagens que comentam estar assistindo algo equivalente a seriados por streaming da Netflix.

Como o jogo não foi traduzido para o português, é preciso entender um pouco de inglês para pescar as piadinhas e seguir a narrativa, mas isso não chega a ser necessário para zerar o jogo, dado que quase sempre vai existir uma seta na tela indicando qual é o caminho até o próximo desafio obrigatório.

A campanha principal não é particularmente longa, e em três ou quatro horas você vai conseguir zerar o jogo, mesmo com algum backtracking e missões paralelas. Se você ficar com gostinho de quero mais, como eu fiquei, há mais de 50 dungeons com inimigos para explorar, e 60 missões.

Já temos diversos jogos indie excelentes disponíveis na eShop do Nintendo Switch, mas este foi, certamente, um dos que eu mais gostei de jogar até o final, justamente pelo seu tom leve, jogabilidade simples e diversão despretensiosa. Por 13 dólares, é um game bem acessível e que vale o seu tempo, caso esteja em busca de uma aventura na linha de Zelda.

Ah, e no final do jogo ainda rola uma reviravolta que dá uma boa sacudida na premissa batida da jornada, então também vale a pena ficar de olho nisso. Ou então, você sabe, também pode ignorar tudo isso e se focar apenas na fofura dos gatinhos. Totalmente válido!

Cat Quest – Nota: 4/5

Desenvolvimento: GentleBros.
Plataformas: Nintendo Switch, PC, Android, iOS
Plataforma utilizada na análise: Nintendo Switch
Jogo cedido para análise: Sim

Related posts

Novo aplicativo mobile de Pokémon é anunciado

Luciana Anselmo

Hack de Mario Kart 7 (3DS) põe as 200cc no chinelo (mas estraga diversão)

Eidy Tasaka

Entrevistamos Blake J Harris, autor de A Guerra dos Consoles

Thomas Schulze