Image default
Retrô Últimos Destaques

Retrosfera Especial: Entrevistamos Wellington Fox, do Game Boy Club

Colecionar videogames é um passatempo custoso, mas muito prazeroso. Se você já tem a sua coleção ou ainda está construindo uma, sabe o quão divertido é passar por aquele longo processo de pesquisa, limpeza e pura apreciação de prateleiras lotadas de games clássicos.

Uma das propostas da Retrosfera, além de ensinar e auxiliar quem pretende construir um arsenal de jogos em casa, é entrevistar colecionadores e colher relatos sobre suas motivações. Você, sim, você mesmo! Está mais do que convidado a participar com a gente e contar sobre a sua coleção! Nossos contatos estão listados no final dessa postagem, então é só escrever pra gente e nós entraremos em contato.

wellington-fox-playreplay-1

O primeiro entrevistado dessa coluna é Wellington “Fox” Aciole , um dos colaboradores do Game Boy Club, site exclusivamente dedicado aos portáteis Nintendo, com ênfase em um dos seus filhos mais velhos, o Game Boy. Ele também faz parte da equipe de arte do GameBlast.



PlayReplay: Wellington, como começou a sua história com os games e de onde surgiu a paixão pelos portáteis?

Wellington Fox:

Tudo começou quando eu tinha lá meus 6 anos de idade e meu pai conseguiu um Atari, atração da família na época. Nos idos dos anos 80 a situação era difícil, minha família não tinha condições fartas, os videogames eram relativamente caros e a situação da economia brasileira também não era das melhores. Um belo dia achei um portátil na rua, meio arranhado e sujo, mas funcional. Tratava-se de um Game & Watch Ball! Consegue imaginar a felicidade de uma criança que nem sabia o que era Nintendo?

game-watch-ball-playreplay
Consegue se imaginar achando um desses na rua?

 

PR: Uma grande coincidência, você é um rapaz de sorte! O que veio depois?

WF: Já nos anos 90, passei a jogar Phantom System com meu primo e um amigo (Marcos Vinícius, saudades suas!). Numa dessas jogatinas, tive meu primeiro contato com um Game Boy, de um amigo, e cheguei a sonhar em ter um. Esse sonho só se concretizou alguns anos depois, eu era adolescente e já trabalhava, quando comprei o meu Game Boy usado nas barraquinhas do Largo 13, em São Paulo. Depois veio o Game Boy Pocket, também em um rolo, até adquirir um Game Boy Color Kiwi Bundle, com Pokémon Pinball, em suaves prestações. A caixa era bem grande e eu me arrependo até hoje de tê-lo vendido.

Com o tempo, vi que a minha paixão era pelos consoles Nintendo e os fui adquirindo, um a um, portáteis ou de mesa. Em 2012, passei a dar mais atenção à minha coleção e esse desejo só aumentou, depois que passei a fazer parte do Game Boy Club.

 

wellington-fox-playreplay-2
Eis uma pequena parcela da coleção de portáteis de Wellington

 

PR: Só Nintendo? Nos portáteis, você acredita que o Game Boy já teve um concorrente à altura?

WF: Não apenas um, mas vários. O diferencial do Game Boy sempre foi sua vasta biblioteca de títulos. Game Gear, Lynx e TurboExpress eram muito superiores, tecnicamente, mas não foram páreo. O Game Boy, além de tudo, era um portátil econômico. Mesmo que economia, na época, fosse ser movido a 4 pilhas.

Eu sou da época em que Nintendo e Sega eram rivais fortíssimos, Mario e Sonic eram os expoentes dessa batalha. Com isso, independente da rivalidade entre as companhias, nós jogadores éramos os vencedores, pois podíamos desfrutar dos dois lados e nos divertíamos bastante.

 

PR: Esse é um excelente recado para os ‘istas’ dos dias de hoje! E o que te levou a se tornar, efetivamente, um colecionador?

WF: Desde aquele Game & Watch, me tornei um grande fã da Nintendo. Havia um sentimento de nostalgia que não era preenchido, mesmo que eu comprasse um console de mesa. Foi quando eu direcionei meus esforços para o Game Boy e passei a adquirir itens cada vez mais raros. Sou colecionador e jogador, não deixo meus portáteis parados e, sempre que posso, dou uma geral na coleção.

Não tem sensação melhor que pegar um cartucho bacana e jogar bastante, só para desfrutar dos velhos tempos. Colecionar é um hobby sem fim, pois sempre surge uma tentação nova, novos itens imprescindíveis e a coleção nunca está completa!

 

wellington-fox-playreplay-3

 

PR: E entre os itens da sua coleção, qual é o seu favorito?

WF: Adoro todos os modelos do Game Boy, mas meu favorito (e precioso) é o Game Boy Color Kiwi, o primeiro modelo que adquiri com meu próprio salário. Foi com ele que decidi colecionar os portáteis Nintendo. Não tenho mais o meu original, lançado pela Gradiente (NE: Representante da Nintendo no Brasil na década de 90), mas foi o meu companheiro em muitas aventuras, inclusive foi com ele que comecei a gostar de Pokémon.

wellington-fox-playreplay-4

 

PR: E sobre o Game Boy Club? Como surgiu a ideia e quais são os projetos de vocês?

WF: Foi em uma busca sobre assuntos relacionados aos portáteis Nintendo que encontrei a fanpage do Game Boy Club. Comecei a postar por lá alguns anúncios publicitários antigos e conheci o Eduardo Lima (fundador do Game Boy Club) e o Felipe Sobral, outro fã e colecionador de portáteis. Na época, fui convidado a integrar a equipe ao lado do Otávio Henrique e do Heron Leal. Ainda não tínhamos um site, mas já existia o sonho de ter um projeto maior, ser referência em assuntos relacionados ao Game Boy.

A fanpage começou a crescer rapidamente e veio a ideia de ter um site focado em novidades e curiosidades dos portáteis Nintendo. Nossa proposta é mostrar para os mais novos e reviver, para os mais velhos, a revolução que o Game Boy causou no mundo dos games, além de debater sobre seus títulos de sucesso e edições especiais, que passam de 400. Além da parte nostálgica, nós nos dedicamos à cobertura dos portáteis atuais, misturando nostalgia e atualidade.

 

PR: Exatamente a nossa proposta! Prossiga! (risos)

WF: Nós estamos em uma crescente e temos muitos planos bacanas vindo por aí. Queremos marcar encontros entre os fãs de portáteis, exposição de consoles e outras promoções. Na última, demos um Game Boy na caixa com Pokémon Yellow e Tetris, em uma caixa especial personalizada, comemorando os 25 anos do portátil. Temos muitas ideias, mas tem sido difícil conciliar o Game Boy Club e os afazeres de cada um. Nos esforçamos bastante para ter sempre um tempinho livre, só para atualizar a página.

gameboyclub-playreplay
Game Boy com caixa personalizada, dado como prêmio na última promoção do Game Boy Club

 

PR: Pra fechar, que dicas você dá para quem está começando a sua coleção, principalmente no caso dos portáteis?

WF: Hoje em dia a tarefa de achar e negociar itens se tornou bem mais simples, tendo sites como ebay, Mercado Livre, OLX e outros. Para começar uma coleção de portáteis, você precisa ter paciência e fazer muitas pesquisas. São muitas ofertas e os preços oscilam bastante, então é bom estar atento a muitos fatores. Eu sigo algumas regras para evitar dores de cabeça:

 

[infobox color=”light”]

– Não compre logo de cara. Negocie com o vendedor, confira sua reputação e pegue o máximo de informações que puder. Se possível, negocie pessoalmente e em locais públicos;

– Avalie bem o portátil, verifique se tem arranhões na tela, ferrugem no compartimento de pilhas (e se a tampa está no lugar, claro), se as pilhas têm vazamentos, se há algum dead-pixel, se o som e os botões estão funcionando perfeitamente e se há a etiqueta com o serial number do produto na parte traseira.

– Peça o máximo de detalhes e fotos, principalmente se estiver negociando via internet. Quanto mais completo o portátil estiver, melhor. Se tiver a caixa, manuais e panfletos da época, melhor ainda. Se for um modelo que você não conhece, pesquise sobre e tente reunir o máximo de informações possível.

– É de suma importância ter alguns portáteis para usar na reposição ou restauração de peças para alguns modelos mais antigos. Como eles já não são mais fabricados, é bem difícil encontrar peças sobressalentes. O que eu faço: se eu tenho um Game Boy Color com a tela danificada, vou até os sites de leilão e procuro por ofertas de outros portáteis mais baratos, com acrílico arranhado ou algum defeito qualquer na carcaça e os utilizo para fazer a reposição dos meus modelos mais novos.

– Não deixe seus portáteis sem uso por muito tempo. Com o tempo a tela resseca e deixa aquelas manchas ovais escuras, principalmente nos modelos mais antigos. De tempos em tempos, mate a saudade dos seus portáteis e faça testes preventivos!

[/infobox]

Uma das grandes vantagens de ter uma coleção de portáteis é que eles não ocupam muito espaço, então podem ser guardados em prateleiras, caixas plásticas ou guarda roupas, deixando sua coleção sempre organizada!

wellington-fox-playreplay-5
Seguindo as dicas do Wellington, quem sabe um dia sua coleção não fica igual a essa?

 


E é isso, pessoal! Nós agradecemos muito ao Wellington, que dedicou um pouquinho do seu tempo e largou seus Game Boys, só para poder bater esse papo com a gente! O Game Boy Club e o PlayReplay têm em comum a paixão pelos consoles antigos, então é sempre um prazer aprender um pouco mais sobre esse universo louco e árduo, mas muito prazeroso dos colecionadores de games!

Você pode ser o próximo entrevistado e a sua coleção pode ser a próxima a fazer parte da nossa Retrosfera! Para isso, basta enviar um e-mail para a nossa equipe!

Fiquem ligados e até o próximo Retrosfera Entrevista!

Related posts

Nintendo of America anuncia Super Smash Club, que estará disponível no Canadá

Kate Silva

Novo update de Hyrule Warriors terá mais informações divulgadas na TGS 2014

Kate Silva

The Lion’s Song: transporte-se para Vienna de 1900

Hugo H. Pereira