Image default
AnimeCríticas

Rebuild of Evangelion 1.0 You Are (Not) Alone: um interessante (re)começo

Em 2007, Hideki Anno fez a alegria dos fãs de Evangelion ao lançar o primeiro de uma tetralogia (ainda inacabada) de filmes: Evangerion Shin Gekijōban: Jo (ヱヴァンゲリヲン新劇場版:序, ou Rebuild of Evangelion: 1.0 You Are (Not) Alone), e é claro que todo mundo ficou curioso para saber o que viria dessa nova empreitada.


Veja também:


Afinal, depois dos finais tanto da série normal de anime como do filme The End of Evangelion, o que não faltavam eram caminhos possíveis para ou seguir com a história, ou reinventá-la totalmente. À primeira vista, o contato inicial com o Rebuild e com seu material promocional dá a entender que o que estamos vendo é uma mera regravação dos primeiros 6 episódios da série.

Não faltam dicas sobre isso, afinal, a maioria das cenas do primeiro Rebuild of Evangelion são praticamente réplicas exatas dos eventos vistos no começo do anime. Seguimos o jovem Shinji Ikari desde seu encontro com a major Misato Katsuragi e seu pai Gendo Ikari, passando por seus primeiros combates contra anjos ao lado da misteriosa piloto de EVA Rei Ayanami, até a climática batalha contra o anjo Ramiel (ラミエル ).

Durante a jornada, saltam aos olhos um drástico aprimoramento das técnicas de animação e da qualidade do traço, além do uso de elementos em CG com parcimônia, sem falar na nova e incrível trilha sonora de Shiro Sagisu, que não tem medo de mexer em temas clássicos do anime e lhes conferir nova identidade. É um trabalho sonoro magistral que, sozinho, já vale o anime!

Embora a história seja bastante similar à original, fãs mais atentos vão notar pequenas diferenças em relação ao arco inicial, como uma mudança na numeração dos anjos, a reorganização da ordem de certos eventos, e até a inclusão de pequenas cenas inéditas, como Misato levando Shinji para conhecer Lilith, e uma cena final que vira o cânone de pernas para o ar.

O tema principal do filme também é muito legal e bonito, mas tome cuidado, porque o vídeo acima tem alguns spoilers leves dos filmes seguintes

São inclusões bem interessantes, mas não o bastante para impedir um certo tédio enquanto se revisita um material bem conhecido pelos fãs. Quer dizer, nostalgia é legal, mas não basta para segurar os quase 100 minutos de filme. Especialmente porque nem toda evolução no estilo artístico foi uma troca para a melhor: a animação mais fluída, traço mais limpo e amigável são objetivamente melhores, mas algo do charme do original se perdeu na transição. O próprio tom do anime ficou bem menos perturbador, e muito do suspense e terror psicológico foi sacrificado em prol da ação.

O que ajuda nos momentos mais tediosos é, justamente, conhecer o trabalho de Anno e saber que, em Evangelion, normalmente as coisas não são o que parecem. Se tudo parece familiar demais no primeiro momento; e as poucas mudanças estão estranhas… provavelmente é porque ele realmente está querendo dizer algo com isso! Nem que o prêmio só venha um ou dois filmes depois, quando nosso tapete for puxado com força e nossas expectativas implacavelmente jogadas pela janela.

Antes de começar a ver os filmes Rebuild, cheguei a ler alguém comentando na internet que, embora muitos argumentem que eles seriam uma realidade alternativa (ou até uma “Terra-2”, no idioma dos DCnautas), era mais lógico ver os novos filmes como uma espécie de “segunda temporada” da série, algo para ver imediatamente na sequência da série normal. Realmente acho essa a melhor mentalidade para começar a ver os Rebuilds.

Rebuild of Evangelion 1.0 até funciona como um filme feito para matar as saudades da série e seus personagens cativantes, mas é muito melhor quando você o assiste com uma pulga atrás da orelha, tentando detectar e teorizar o que Anno e sua equipe vão querer mudar no futuro da série, esmiuçando cada uma das pequenas mudanças que ele apresenta. É um (re)começo interessante e competente para uma nova série de aventuras.

[rwp-review id=”0″]

Related posts

Como me apaixonei por Mahoutsukai no Yome

Thomas Schulze

JBC lança Another no Brasil em box especial

Thomas Schulze

Vídeo Tour pelo Álbum da Copa 2018 da Panini

Thomas Schulze