Image default
Críticas Séries

Novo Perdidos no Espaço até que consegue divertir

Como o fiasco cinematográfico de 1998 deixou claro, rebootar a série Perdidos no Espaço não é a tarefa mais fácil do mundo. Originalmente transmitido entre 1965 e 1968 na CBS, o programa misturava muito bem elementos de aventura, ficção científica e comédia, e marcou época com sua fórmula característica. Assim, a missão da Netflix ao fazer uma nova série não era das mais fáceis.


Veja também:


Assim, o simples fato da versão de 2018 não ser uma catástrofe já é uma conquista notável por si só, ainda mais levando em conta o currículo da Netflix, cujas produções costumam ser por demais genéricas e formulaicas, com aquele modelinho intragável de esticar uma história até seu limite, com maratonas de 13 horas para contar uma trama bem curta e rasa (lembra da intragável Altered Carbon? Pois é).

Pensando nas produções originais Netfix, seu Perdidos no Espaço certamente fica entre os melhores lançamentos entre as séries do serviço de streaming. Mesmo sem chegar ao mesmo patamar de excelência das raras maravilhas como Love e Derek, Perdidos no Espaço consegue divertir e deslumbrar um pouco ao longo de seus nove episódios, e isso tem lá seu mérito.

O valor de produção é o elemento que mais salta aos olhos logo de cara. Na maior parte do tempo o seriado mais parece um filme de orçamento decente, e isso ajuda bastante na imersão do clima de aventura. O design das criaturas, veículos e uniformes ficou bem interessante até mesmo nas decisões mais ousadas, como a repaginação do robô companheiro do jovem Will Robinson.

Falando nos Robinson, os personagens estão razoavelmente diferentes dos originais em seu visual e motivações, mas o importante é que sua essência foi mantida. A ideia, claro, é que por mais intensos que sejam os perrengues e aventuras, no fim do dia, os Robinson sempre ficam juntos, bem como tem que ser em uma boa aventura família.

Como manda a cartilha dos bons costumes ditada pelo senso comum em 2018, há aquelas inevitáveis trocas de etnia e sexo em relação aos personagens originais. Felizmente, diferente da maioria das obras atuais, aqui tudo é feito de forma delicada, esperta e cumprindo seu propósito narrativo com bom gosto.

Com o devido aviso de spoiler (ainda que isso aconteça já no primeiro episódio e a informação esteja em todas as sinopses e IMDB logo de cara), a troca mais inteligente e interessante foi a transformação do Doutor Smith em Doutora Smith. Afinal, em inglês, “doctor” é um substantivo sem gênero, e foi sagaz se aproveitarem disso, especialmente porque Parker Posey consegue interpretar muito bem um dos personagens mais queridos da televisão.

A esperteza e covardia da personagem são aplicadas em doses perfeitas em suas caretas, do jeitinho que tem que ser. De longe, ela é o nome que mais se destaca positivamente no elenco, seguida pela Maureen Robinson de Molly Parker e o Don West de Ignacio Serrichio. Não dá para reclamar muito do elenco jovem, exceto por Maxwell Jenkins, que está totalmente perdido com seu Will Robinson. Cada pequena cena e demonstração de emoção parece um esforço hercúleo para o garoto.

Com bons efeitos visuais e atuações na maior parte decentes, só faltava o roteiro seguir o mesmo padrão de qualidade. Infelizmente ele fica um pouco abaixo da média, mas não o bastante a ponto de estragar tudo. Há algumas viradas espertinhas e divertidas, mas, no geral, quase todas as situações de perigo em que os protagonistas se encontram acabam sendo ou anticlimáticas, ou resolvidas de forma meio preguiçosa e excessivamente conveniente, o que atrapalha um pouco a jornada.

Ainda assim, é uma ficção científica mais coesa e redondinha do que o instável Star Trek: Discovery, e uma das séries de drama originais da Netflix mais interessantes disponíveis em seu fraco catálogo. E, mesmo que você não goste de nada citado acima, ao menos tem um consolo nos créditos finais, que contam com uma versão muito legal do clássico tema escrito pelo mestre John Williams!

[rwp-review id=”0″]

Related posts

Soul Calibur VI | Geralt de Rivia, de The Witcher, se junta à pancadaria

Rodrigo Estevam

The Witcher | Mod de The Witcher 3 deixa Geralt com rosto de Henry Cavill

Gilson Peres

Fortnite | Acabou o tempo, a Temporada X do jogo já chegou

Rodrigo Estevam