Image default
Especial Games Últimas Notícias

Novos games inovam com combinações inesperadas

Nos últimos anos foram lançados diversos jogos que inovaram com combinações inesperadas.

De jogos que combinam seções com perspectivas 2D de shoot’em up com intensas batalhas melee em 3D até jogos rítmicos que contam com elementos de roguelike, é possível encontrar todo tipo de mistura incrível que garante horas de diversão.

Mistura de gêneros já conta com clássicos

Disponível para PlayStation 4 e PC e considerado um dos dez melhores jogos de 2017, “NieR:Automata” (Nier) é um dos melhores exemplos de jogos que misturam dois gêneros com muito sucesso.

O primeiro deles é o shoot’em up. Esse gênero que aparece em clássicos antigos e modernos como “Cuphead, “Galaga” e “Missile Commander” envolve uma visão 2D em que o jogador precisa atirar de inimigos enquanto desvia de projéteis lançados contra ele.

Vale mencionar que a imensa maioria dos títulos desse gênero permite apenas movimentos na horizontal e vertical nas fases, mas alguns jogos contam com movimentos em 360º.

Já o segundo gênero é o hack n’ slash. Marcado por uma visão 3D e ângulos de movimentação muito mais livres, esse gênero que conta com títulos como “Bayonetta”, “Devil May Cry” e “God of War”, envolve um combate corpo a corpo, o famoso melee, para vencer os inimigos através de combos e ataques acelerados.

Nier consegue unir os dois gêneros ao introduzir um trabalho praticamente único de câmera versátil que muda de acordo com a seção do jogo em que o jogador se encontra, substituindo o ângulo de visão para 2D ou 3D segundo o que será mais vantajoso.

Além disso, o game também mistura elementos desses dois tipos de jogos independente da seção ao colocar uma espécie de drone assistente que atira sob comando do jogador para onde ele estiver direcionado e seções em 2D de plataforma para facilitar a exploração de algumas das ruínas, mas sempre deixando tudo desafiador o suficiente para fazer com que o jogador precise de todas as melhores dicas para conseguir vencer.

Se isso não fosse o bastante, o game ainda conta com diversos elementos de RPG, aventura e grandes questões filosóficas e existenciais que fazem com que ele tenha se tornado um dos principais clássicos modernos e mereça ser conhecido por qualquer ângulo que se observe.

Clássicos ganham fôlego com as combinações

Outro jogo inovador que surpreendeu os entusiastas com mecânicas inesperadas foi o novo “Tetris®+ Spin & Go”. Desenvolvido pela PokerStars e disponível tanto em computadores quanto em dispositivos móveis, o game combina elementos dos dois jogos para oferecer uma experiência única.

A tradicional jogabilidade do Spin & Go, que envolve jogar diversas mãos de forma rápida, não foi alterada, mas além de apenas focar em vencer as partidas para conquistar o torneio, o jogador precisa focar em completar as tradicionais linhas do Tetris para conseguir subir de nível.

Cada vez que o entusiasta completa cinco linhas seu nível e sua posição no torneio aumentam, o que faz com que o número de pontos para cada linha também aumente e ele suba cada vez mais no ranking.

Agora, caso o jogador não consiga completar as linhas enquanto joga, os blocos de Tetris começam a bagunçar o campo e atrapalhar a partida. São três estados e se o jogador ficar no último por muito tempo ele perde a partida.

Por se tratar de um título de poker, a ênfase está totalmente voltada para a competição dos jogadores e no final de cada dia o jogador com a pontuação mais alta em relação a linhas de Tetris e nível total consegue um lugar no quadro de líderes para conquistar um prêmio.

Nintendo Switch tem todo tipo de jogos com diferentes combinações de gêneros

Jogos rítmicos com aventuras inesperadas

Disponível para PlayStation 4, PlayStation Vita, Xbox One, PC, iOS e Nintendo Switch, o clássico moderno “Crypt of The Necrodancer” foi outro game que quebrou barreiras de gêneros e conquistou o público com suas mecânicas inovadoras.

O game combina a profundidade de exploração praticamente infinita de títulos roguelike como “Spelunky” com mecânicas rítmicas de “Dance Dance Revolution” ou até mesmo “Rock Band” para criar algo único.

A jogabilidade envolve a exploração de torres e masmorras por horas de monstros, mas com uma diferença importante: todos os inimigos e armadilhas se movem de acordo com o ritmo da música que está tocando.

Navegar pelas criptas e derrotas não é fácil, mas a trilha sonora magistral de Danny Baranowsky faz com que atacar monstros e se mover ao redor do mundo torne-se uma dança coreografada digna dos maiores clássicos de artes marciais e é impossível não se render ao ritmo do jogo e perder horas explorando tudo.

Vale mencionar que, como todo roguelike, ao morrer o jogador perde tudo que conquistou do nível e precisa começar de novo, o que aumenta o fator replay e torna tudo ainda mais desafiador.

Entretanto, para quem prefere uma experiência rítmica de exploração sem esse tipo de mecânica, é possível aproveitar “Cadence of Hyrule”.

Desenvolvido pela mesma equipe de “Crypt of the Necrodancer” e com muitos dos mesmos elementos e mecânicas, mas sem a perda de itens com a morte, o game para Nintendo Switch é considerado o melhor spin-off da saga Zelda e proporciona uma maneira diferente e muito divertida de explorar o reino de Hyrule.

Related posts

14 jogos novos chegam à eShop do Switch hoje

Luciana Anselmo

Xenoblade Chronicles 2 terá Nintendo Direct na próxima semana

Luciana Anselmo

Yume Nikki chega ao Steam cheio de mistérios

Luciana Anselmo