fbpx
Image default
Críticas Games Últimos Destaques

No Man’s Sky Beyond é uma experiência estonteante de exploração espacial

No Man’s Sky  teve inúmeras polêmicas ao seu redor após seu controverso lançamento lá em 2016. Sendo considerado o pior jogo de 2016, o game conseguiu em 2018, uma indicação para “melhor jogo de conteúdo contínuo” no The Game Awards 2018. Agora, com No Man’s Sky Beyond, a mais nova atualização do título, temos mais melhorias ainda e quase que uma reformulação total do jogo da Hello Games, que finalmente cumpriu todas as “falsas promessas” feitas lá em 2016.


Veja também:


Mas antes de falarmos propriamente das mudanças que Beyond trouxe, é importante ressaltar que essa atualização gigantesca e gratuita do jogo de 2016 funciona praticamente como uma continuação das melhorias vistas na atualização de 2018, chamada de No Man’s Sky Next. Para início de conversa, todo o conteúdo inicial do jogo foi reformulado, acrescentando novos e melhores tutoriais de início, além de acréscimos gratificantes aos recursos de construção de bases.

Claro que não é só disso que se trata Beyond, já que temos também um sistema online muito bom, a possibilidade de jogar todo o jogo em realidade virtual, melhorias de interface excelentes e novas mecânicas de interação com criaturas. Junte a isso uma atenção aos detalhes sem igual e um suporte à comunidade de jogadores estupendo e temos aqui uma das grandes surpresas de 2019.

No Man’s Sky 2

Para começar, vamos falar aqui do grupo de melhorias e atenção aos detalhes que montam um terço dessa grande atualização que é No Man’s Sky Beyond. Não é novidade para quem acompanhou o jogo desde 2016 que a Hello Games não abandonou No Man’s Sky em nenhum momento, acrescentando o máximo de conteúdos que podia no decorrer dos últimos três anos. Assim, o que a empresa chamou de “No Man’s Sky 2.0” se trata de uma continuidade de todas essas melhorias, além do acréscimo de mais alguns conteúdos inéditos.

Entre essas melhorias, temos mudanças consideráveis no layout de muitos menus e inventários, otimizações de jogabilidade e agilidade de comandos, além de maiores adequações da curva de aprendizado do jogo. Tudo isso dá a No Man’s Sky Beyond uma sensação de polidez gratificante para velhos e novos jogadores. Desde elementos simples como a possibilidade de acumular um número bem maior de elementos por bloco de inventário até um menu de catálogo totalmente novo com mais de 300 novas receitas de itens a serem construídos.

Todas essas mudanças podem passar despercebidas por jogadores novatos em No Man’s Sky, mas são quase como um “abraço quentinho” para os jogadores mais antigos, que tinham várias críticas sobre a organização de inventários e velocidade dos menus do jogo, por exemplo. 

Muito mais o que fazer dentro dos planetas

Mas como não é só de melhorias que No Man’s Sky Beyond se trata, temos também um acréscimo muito bem vindo de novas mecânicas de jogo. Entre elas, recebemos uma atenção maior dessa vez em atividades para se fazer na superfície dos planetas que exploramos. Afinal, uma das maiores críticas ao jogo em 2016 era a monotonia e falta do que fazer nos planetas.

Agora, para início de conversa, temos novas formas de interações com a fauna dos planetas. Desde a primeira versão do game, nós só podíamos alimentar e catalogar as criaturas que descobríamos nos inúmeros planetas alienígenas que encontrávamos galáxia à fora. Agora podemos domar temporariamente essas criaturas, utilizando alimentos específicos; além da possibilidade de usá-los como montaria ou recolher itens específicos deles, como leite, carne, ovos e até mel!

Além dessa interação com a fauna e novas floras do jogo, temos algumas construções novas, como coletores automáticos que podem ser utilizados para a produção em larga escala de itens valiosos para a venda. Já é possível encontrar na internet relatos de jogadores que fazem bilhões de créditos por hora com produções desse tipo, o que é bem bacana para aumentar as possibilidades de produção que o jogo possui.

Sistema online bem interativo

Dando continuidade aos pilares de atualização do jogo, temos o que a Hello Games batizou de “No Man’s Sky Online“. A empresa incluiu em Beyond um sistema multiplayer finalmente digno. Claro que nunca foi o objetivo da desenvolvedora fazer de No Man’s Sky um MMORPG ou algo do tipo, por isso, é importante deixar claro que o sistema online do jogo é opcional e complementar à experiência de exploração espacial proposta.

Esse sistema é personificado através da base Nexus, que é uma versão melhorada e muito maior da antiga Anomalia Espacial de No Man’s Sky Next. A base Nexus de Beyond pode ser invocada pelos jogadores tal qual uma nave cargueira, funcionando como uma estação espacial móvel onde, ao invés de NPCs, temos outros jogadores presentes.

Essa estação espacial funciona como um lobby online móvel que permite que qualquer jogador em qualquer local da galáxia possa acessá-la rapidamente sem problemas. O espaço do Nexus foi feito para jogadores interagirem entre si, com a possibilidade de ver a nave dos demais jogadores presentes, interagir com eles por voz ou gestos, além de poder utilizar um portal da estação que permite visitar o planeta base de qualquer jogador que esteja online no momento.

Além disso, temos também a possibilidade de fazer missões em equipes de até quatro jogadores, que incluem tarefas comumente atribuídas em missões de guildas nas estações espaciais tradicionais, como conseguir um determinado item ou caçar piratas espaciais, mas tudo com um nível de dificuldade mais elevado, o que torna o desafio em equipe bem divertido. Em conjunto a essas missões temos outras, como construir bases subaquáticas em equipe e recuperar fósseis, variando um pouco o que já tínhamos.

Por fim, temos também vários comerciantes novos à disposição nesta estação. Melhorias envolvendo veículos terrestres, naves, engramas de construção de base, melhorias de traje e da sua multiferramenta estão presentes aqui; assim como os NPCs Nada e Apolo, já conhecidos do modo história do game. Mas de tudo o que envolve este sistema online, o que mais agrada é a sua simplicidade. É possível invocar a base Nexus, entrar no lobby online, começar e terminar uma missão e voltar para o seu próprio jogo offline sem telas de loading demoradas ou tentativas de conexão problemáticas. Tudo flui como se fosse parte realmente daquele mundo interativo.

Um novo jogo na realidade virtual

Agora chegou a hora de falar do último dos três pilares que formam a gigantesca atualização Beyond de No Man’s Sky. Esse daqui foi batizado pela Hello Games como “No Man’s Sky VR” e poderia muito bem ser um jogo totalmente a parte do jogo base que já mereceria uma análise própria. Afinal, Borderlands 2 VR e Skyrim VR são dois exemplos óbvios desse movimento. Isso porque a atualização Beyond trouxe, para PC e PS4, um modo de jogo em realidade virtual que permite jogar todo o conteúdo de No Man’s Sky com a tecnologia de imersão.

Isso conta tanto para novos jogos como para quem quiser simplesmente continuar seu jogo salvo em uma nova perspectiva. Cansou de usar os pesados óculos de realidade virtual do PC ou PS4? Basta reiniciar o jogo no modo tradicional e continuar jogando sem problema algum. A versatilidade deste modo, assim como as suas mecânicas muito bem construídas, lembra bastante o que foi feito em Resident Evil 7 e deveria servir de exemplo para outras empresas que incluem modos de jogo em realidade virtual bem limitados e inúteis em seus jogos tradicionais.

O modo em RV está disponível para PlayStation VR, HTC Vive, Oculus e Valve Index. Não é exagero dizer que praticamente toda a jogabilidade do título, incluindo seus controles e layouts foram modificados e repensados de modo exclusivo para a versão em RV de No Man’s Sky. O resultado é uma experiência estonteante e altamente imersiva. É impossível não esboçar nenhuma reação, por exemplo, quando você sai da atmosfera do planeta pela primeira vez com essa tecnologia.

Os controles de movimento que o jogo pede no modo de VR auxiliam bastante nessa imersão, mas podem ser um desafio para os menos habituados. Isso porque alguns elementos como movimentação, uso da multiferramenta e o controle das naves e veículos ficaram bem complexos, mesmo que altamente imersivos. Ao mesmo tempo, é muito mais natural mexer nos inventários e menus usando os dedos ao invés do analógico do controle tradicional ou o mouse, no caso do PC.

Mas é importante ressaltar que estes controles obrigam o jogador a sair da zona de conforto muitas vezes. Participar de batalhas espaciais pode se tornar bastante desafiador neste modo, mesmo com sua nave já sendo poderosa e bem equipada. Logicamente, aquelas pessoas que já estão habituadas à realidade virtual podem se acostumar bem mais rápido com estes controles.

Mas toda a complexidade, saída da zona de conforto e compreensíveis downgrades que o jogo possui neste modo não são nada comparados à imersão e liberdade que o jogo lhe dá. Os comandos simples como ativar o scanner ou sacar sua multiferramentas se tornam muito mais divertidos de serem feitos em realidade virtual, com movimentos físicos bem marcados. Ao mesmo tempo, dirigir veículos ou pilotar naves espaciais são experiências deliciosas e, ao mesmo tempo, estonteantes.

Nem tudo é perfeito, nem em RV

Entretanto, mesmo que a imersão do modo em RV de No Man’s Sky Beyond seja incrível, é preciso ressaltar que ela não é perfeita. Um dos principais problemas que pode incomodar bastante tanto os jogadores tradicionais de No Man’s Sky como os tradicionais de RV são os visuais bem mais serrilhados e embaçados do game.

Porém, essa técnica já é conhecida de outros jogos já citados aqui, como Skyrim, Borderlands 2 e até o próprio Resident Evil 7, que, priorizando uma taxa de frames mais alta, desfocam a imagem do jogo para garantir melhor processamento. Em um jogo com praticamente nenhuma tela de carregamento e um universo procedural imenso, é compreensível a presença deste serrilhado no modo RV, mesmo que incomode um pouco.

São notadas também a presença de alguns bugs a mais no modo RV que não estão presentes no modo de jogo tradicional. É visível que o carregamento do jogo fica bem mais pesado neste modo, atrapalhando, por exemplo, que partes específicas das bases surjam de uma vez, ficando invisíveis ou até mesmo sumindo permanetemente, o que é um problemão.

Além disso, mesmo que os menus sejam muito confortáveis e instintivos de serem utilizados em RV, algumas vezes as letras podem aparecer pequenas demais. Sendo necessário assim que o jogador se aproxima mais com a cabeça para enxergá-las. Ao mesmo tempo, sempre existe o risco de cinetose (enjoo de movimento) em jogos deste tipo. No caso de No Man’s Sky, naves e veículos muito rápidos podem ser grandes gatilhos para esses enjoos, mas nada fora do normal.

A redenção da Hello Games

A história de No Man’s Sky e da própria Hello Games é muito controversa e cheia de polêmicas. É fato que a desenvolvedora cometeu inúmeros erros em seu passado, principalmente no que tange à publicidade do jogo no período anterior ao seu lançamento. Entretanto, desde o lançamento de No Man’s Sky Next, a empresa começou a mudar a opinião pública a seu respeito e, principalmente, a respeito de seu primeiro jogo. Isso graças à sua postura de humildade em assumir erros e comprometimento árduo em consertá-los.

Assim chegamos à experiência de No Man’s Sky Beyond que ultrapassa as barreiras do que fora prometido anteriormente ao jogo e nos entrega inclusive muitos elementos que nem se quer haviam sido cogitados. Todo esse suporte da Hello Games culminou em uma maravilhosa experiência de exploração espacial que, agora, está entre as melhores dos atuais jogos do gênero.

Felizmente a Hello Games já confirmou que essa está longe de ser a última atualização de No Man’s Sky, então nos resta aguardar o que mais está por vir neste imenso e cada vez mais cheio universo de conteúdos.

Related posts

Star Wars Episode 1: Racer | Jogo é relançado no PC

Luciana Anselmo

Jogos gratuitos da Xbox Live Gold de dezembro são anunciados

Luciana Anselmo

PUBG | Jogo perdeu metade dos jogadores ativos no PC

Luciana Anselmo

Deixe um comentário