Image default
Games Guias

Monte seu próprio videogame retrô com menos de R$300,00 usando um Raspberry Pi

Armazene seus backups de Snes, Nes, Mega Drive, Master System, Atari e outros em um só micro-console retrô e relembre os tempos áureos sem gastar muito


Juntar todos os consoles em um só sempre foi um sonho que tive, realizado em partes quando tomei posse de um PlayStation 2 e posteriormente de um Wii. Apaixonado por consoles antigos, achei na emulação a oportunidade de experimentar relíquias de vinte ou trinta anos atrás, sem desembolsar fortunas ou perder semanas em negociatas no eBay.

“Mas pera lá, isso é legal?”— Não, não é. E em vista disso, frisamos que este post visa apenas a manutenção de cópias de segurança de games que você já possui e nada além disso. Usar este poder para o bem ou para o mal é por sua conta e risco, ok?

Dito isso, vamos falar um pouquinho do Raspberry Pi, ingrediente chave para a nossa engenhoca funcionar: O RPi é um micro-computador do tamanho de um cartão de crédito, mas possante o bastante para o que precisamos. Sua última versão conta com um processador quad-core de 900mhz e 1gb de Ram, além de gerar vídeo em HD e suportar cartões micro-SD. Excelente, não?

retropie-board-playreplay


 

Mãos à obra:

Eis os itens necessários para você montar o seu próprio console:

  • Raspberry Pi (você pode escolher entre a V2 ou a B+. A V2 é a mais nova e atualizada, ao passo que a B+ tem configurações mais modestas, mas ainda funcionais);
  • Cabo HDMI para conectar o Raspberry à TV;
  • Fonte USB de 5V e 2A (eu não tinha uma e consegui bons resultados com um carregador de celular/tablet);
  • Cartão Micro SD de 16gb – Classe 10 (friso que seja Classe 10, pois a velocidade de transferência é crucial para o bom funcionamento do nosso videogame)
  • Internet e um cabo ethernet OU um dongle Wi-Fi;
  • Teclado USB (não precisa comprar um teclado específico para o RPi. O do seu PC já serve, já que o utilizaremos apenas para as configurações iniciais);
  • Joystick USB (o RPi é compatível com os joysticks de PS3 e Xbox 360, mas seu processo de instalação é mais complexo e fica para um segundo momento);
  • Um pendrive para levar os jogos até o RPi.

Reparem que boa parte dos itens listados acima você já deve ter em casa, restando apenas a compra do Raspberry Pi. Por se tratar de um micro-computador com fins estudantis, você consegue achá-lo por cerca de US$45 se quiser importar o seu, ao passo que no Brasil, fazendo boas buscas no Mercado Livre ou na Farnell (distribuidor oficial), a V2 não sai por menos de R$200,00.

 

1º Passo: Instalando o Sistema Operacional

Com todos os itens em mãos, o primeiro passo é montar o Sistema Operacional do Raspberry. Para o nosso projeto nós vamos usar o RetroPie, que é uma modificação do Raspbian — SO padrão do RPi — específica para o retrogaming. Nele estão reunidos boa parte dos emuladores e drivers necessários, reduzindo drasticamente o nosso trabalho.

retropie-playreplay

Selecionamos aqui um link para download, tanto da B+ quanto para o V2. Fique atento para trabalhar com os arquivos certos, ok? O download deve ter aproximadamente 800mb.

Outro ponto a ser observado é que os arquivos virão em imagem, então não basta copiá-lo para o seu cartão SD. Caso não saiba como proceder, você pode clicar no nome do seu sistema operacional e seguir as instruções: Windows, OS X, Linux.

Obs: Recomendo fortemente usar computadores ou notebooks com entradas USB nativas. Leitores genéricos de cartão costumam ser lentos, além de haver a chance de corromper arquivos.

 

2º Passo: Ligando seu Raspberry Pi

Após a cópia dos arquivos para o seu cartão SD, ejete-o de maneira segura e o insira em seu Raspberry Pi. Em seguida, basta conectar seu cabo HDMI, o teclado USB, o cabo de rede e ligá-lo na tomada. Reparou que ele ligou direto? Pois é, o Raspberry não tem um botão liga/desliga, então uma vez alimentado, ele já está ligado e pronto para uso. Por se tratar de um aparelho diminuto, seu consumo de energia é relativamente baixo, então não precisa se preocupar em deixá-lo ligado por um longo período de tempo.

Logo de cara, ele inicializará o Emulation Station, que nada mais é que um front-end dedicado à emulação. Seu joystick USB já deve estar funcionando normalmente, assim como o seu teclado. Vamos aproveitar pra fazer algumas configurações básicas?

 

3º Passo: Expandindo o cartão SD:

Pressione F4 em seu teclado para ir para o terminal, que é a tela preta onde podemos entrar com os comandos diretamente. Por lá, vamos fazer com que o RPi reconheça todo o seu cartão SD, além de configurar o layout do seu teclado.

digite: sudo raspi-config

Com isso, você verá este menu de configuração:

raspi-config

Entre no item 1 e o RPi liberará todo o espaço disponível em seu cartão SD, deixando tudo prontinho pra que você transfira seus jogos. Aproveite o embalo e configure uma senha para o seu usuário, entrando no item 2. Na opção 4 é possível configurar o layout do seu teclado, facilitando o trabalho no terminal.

Por último, vá até a opção 7 e configure um overclock em seu RPi, otimizando seu dispositivo para melhorar a performance nos jogos. Esse passo é completamente opcional, uma vez que pode comprometer a durabilidade do seu gadget. Eu configurei o meu no high e não senti muita diferença na temperatura da placa.

overclock-retropie-playreplay

 

4º Passo: Ajustes finos

De volta ao terminal, basta digitar ‘emulation station’ no terminal pra que o RPi volte à interface de jogos. Pressionando Start em seu joystick (que já deve ter sido detectado), é possível configurá-lo. Contudo, essa opção apenas configura o seu uso para o Emulation Station, sem nenhuma interferência nos jogos em si. Para configurá-lo realmente, você deve ir até o menu RetroPie, onde você pode ainda fazer ajustes de áudio entre outras opções que não vamos mexer agora.

 

5º Passo: Transferindo seus jogos

Uma vez que a internet já está configurada em seu RPi, você pode ligá-lo à sua rede através de SFTP ou simplesmente transferir suas cópias de segurança de jogos via pendrive. Nós vamos ensinar os dois processos, cabendo a vocês decidir pelo mais prático:

 

– Pendrive: Formate seu dispositivo com o sistema FAT 32 (NTFS e afins não são reconhecidos pelo sistema Raspbian) e crie uma pasta chamada RetroPie. Ao conectar seu pendrive no RPi, automaticamente serão criadas as pastas de Bios e Roms, separadas por sistema.

Agora basta você espetar seu pendrive no computador e gravar os backups em suas respectivas pastas. Quando você conectar o pendrive no RPi, ele mesmo fará o download, tudo de modo automático.

(Atente para a luz do pendrive piscando! Este é um sinal de que não deve desconectá-lo ainda.)

 

– SFTP: Baixe em seu computador um cliente FTP. Nós recomendamos o Filezilla, um dos mais tradicionais e confiáveis do mercado. Feito isso, basta entrar com o IP do RPi (caso não o saiba, digite ifconfig no terminal), nome de usuário (pi, por padrão) e a senha definida no passo 3 deste tutorial.

Captura de Tela 2015-05-20 às 16.32.11

Já definida a rede, vá até o seguinte diretório:

/home/pi/RetroPie/Roms

Agora é só enviar os backups para as suas respectivas pastas e pronto!


 

Difícil? Não, só um pouquinho trabalhoso. Dá pra melhorar algumas configurações e refinar ainda mais o seu RetroPie, mas só com essas configurações básicas já é possível se divertir bastante relembrando os velhos tempos.

Não custa nada repetir, mas a nossa ideia ao divulgar este tutorial é apenas fortalecer a cena retrô gamer brasileira e dar a oportunidade aos que não têm acesso de jogar preciosidades perdidas pelo tempo ou que não foram traduzidas para nenhum idioma ocidental. Portanto, não temos nenhum link para download dos backups e tampouco queremos vê-los em nossos comentários, ok?

Related posts

Retrô: Turma da Mônica na Terra dos Monstros (Mega Drive)

Eidy Tasaka

Sonic CD, direto do túnel do tempo…

Thomas Schulze

Conheça uma das melhores lojas de games retrô dos EUA

Thomas Schulze