Image default
Anime Críticas

B: The Beginning é uma boa empreitada da Netflix

Quando a Netflix e a Production I.G. anunciaram uma produção em conjunto, muita gente ficou se perguntando o que viria por aí, já que a Netflix está apenas começando a entrar no ramo dos animes. Felizmente, B: The Beginning é uma opção bem decente de diversão!


Veja também:


Trata-se de uma interessante mistura de elementos sobrenaturais e uma história de crime sobre assassinatos em série, que logicamente acabam se conectando ao longo da trama. Com alguns probleminhas de ritmo e estrutura, é verdade, mas mesmo assim a história vale a pena.

Há várias reviravoltas de roteiro, como era de se esperar, já que muito da estética e tom saíram do sucesso Sherlock da BBC, uma fonte natural de inspiração para o drama forense que se desenrola na tela. O diferencial, claro, é o cenário, já que aqui temos o arquipélago de Cremona, uma área repleta de tecnologia… e crime.

É lá que o protagonista Koku e Keith, o investigador lendária da RIS (serviço de Investigação Real) precisam lidar com uma série de personagens inusitados em sua busca pela verdade, com destaque para Lily, uma jovem cheia de personalidade que é, também, a presença mais notável em tela.

Se pecaram no ritmo e estrutura, ao menos os diretores Kazuto Nakazawa e Yoshiki Yamakawa acertaram em cheio na animação, design e expressões faciais dos personagens, que estão cheios de nuances. Os animadores também merecem crédito pelos cenários cheios de detalhes, que ajudam o ambiente a parecer crível.

Se você não se incomodar com algumas reviravoltas mirabolantes demais e um ritmo inconstante e instável, há bastante diversão para se tirar deste anime. Com o perdão do trocadilho, esperamos que B: The Beginning seja apenas o começo dessa parceria entre a Netflix e a Production I.G.

[rwp-review id=”0″]

Related posts

Cavaleiros do Zodíaco | Rede Brasil vai passar o anime Lost Canvas

Thomas Schulze

O Mecanismo | Série brasileira da Netflix ganha pôster e novo trailer

Rodrigo Estevam

Evaristo Costa divulga Bright da Netflix em brincadeira divertida

Thomas Schulze