Image default
Últimas Notícias Games

Após acusações de assédio sexual, presidente da Blizzard deixa empresa

J. Allen Brack, presidente da Blizzard, deixou o cargo após várias denúncias relacionadas a assédio sexual, remuneração desigual, além de retaliações a quem acabasse falando sobre o assunto.

O comunicado foi feito através de uma carta aos funcionários, assinada por Daniel Alegre, presidente da Activision Blizzard. Nela, o executivo afirma que Brack estava indo embora da empresa em busca de novos ares, mas ele não explicou se ele acabou sendo demitido ou renunciou ao cargo. Além disso, o texto não fala a respeito das recentes acusações de assédio envolvendo a sua subsidiária.

Ao que tudo indica, agora o cargo de presidência da empresa será dividido, e Jen Oneal e Mike Ybarra, atuarão como co-líderes da companhia.

Alegre afirmou que ambos são líderes natos, além de terem um excelente caráter e serem íntegros, estando completamente comprometidos em garantir que a companhia seja um local de trabalho acolhedor e inspirador, onde os colaboradores podem exercer sua sua excelência criativa e assim atender os altos padrões de desenvolvimento de jogos que são exigidos pela companhia e pelo público.

A carta enviada por Alegre ainda contém uma mensagem de Brack: “Estou confiante de que Jen Oneal e Mike Ybarra oferecerão a liderança que a Blizzard precisa para realizar todo o seu potencial e acelerar o ritmo das mudanças. Eu prevejo que eles farão isso com paixão e entusiasmo, e que possam ser confiáveis ​​para liderar com os mais altos níveis de integridade e compromisso com os componentes de nossa cultura, que tornam a Blizzard tão especial.”

Quem são os novos co-líderes da Blizzard

Jen Oneal é uma veterana da empresa, que já foi a ex-chefe do estúdio Vicarious Visions. E nos últimos tempos ocupava o posto de vice-presidente executiva de desenvolvimento, trabalhando principalmente no desenvolvimento sênior e suporte para as franquias OverWatch e Diablo.

Enquanto isso, Mike Ybarra também tem bastante experiência na indústria de tecnologia e jogos, trabalhando no setor por mais de 20 anos, sendo que durante 7 anos foi o executivo sênior na divisão Xbox da Microsoft. Porém, não faz muito tempo que ele passou a ocupar o posto de vice-presidente executivo e gerente geral de plataforma e tecnologia da Blizzard.

Mais demissões e futuro incerto de Diablo IV

Diablo IV é um dos jogos mais aguardados pelos gamers, e a situação do jogo, que já sofria com alguns atrasos por conta da crise sanitária, pode ter acabado de piorar. Isso porque o diretor do título, Luís Barriga, foi demitido da Blizzard.

Desta forma, como já não havia uma previsão exata para o lançamento do game, agora sem dúvidas as novidades a respeito do título ainda irão demorar para sair.

Porém, há várias alternativas no mercado que podem suprir a falta do próximo título da franquia Diablo, variando desde games do mesmo estilo, como o Path of Exile, ou até mesmo jogos mais competitivos, como os presentes no vasto catálogo do leovegas cassino, que além de ofertar uma diversidade de opções, conta com bônus muito atrativos, principalmente para novos usuários.

Além do Diablo IV, outros jogos desenvolvidos pela Blizzard estão com suas produções bastante atrasadas. Tanto que apenas na terça-feira (17) foi revelado o próximo game da companhia, o Call of Duty: Vanguard. O jogo era extremamente aguardado pelos fãs da Activision Blizzard, e aparentemente para este ano o FPS apostará na temática da Segunda Guerra Mundial. Mas por enquanto a empresa ainda não revelou a data de lançamento e apenas liberou um teaser.

Ainda assim, as informações dão conta de que o anúncio oficial do jogo será feito dentro do Call of Duty: Warzone, e os jogadores que estiverem online no momento da revelação devem receber um bônus de experiências.

Related posts

Monster Hunter: World | Capcom anuncia expansão Iceborne para 2019

Rodrigo Estevam

Fortnite Battle Royale | Vasculhe entre uma ponte coberta, uma cachoeira e o buraco nº 9

Rodrigo Estevam

Apponte | Startup brasileira lança app de processos seletivos cruzando dados e afinidades

Rodrigo Estevam