Image default
Críticas Games

Sem diálogos, Virginia tem muito a dizer

Drama interativo não é um gênero que agrade todos os jogadores. Afinal, seu gameplay limitado faz algumas pessoas chamarem o gênero, pejorativamente, de Walking Simulator (simulador de caminhada) e aproxima demais a experiência ao ato de apenas sentar e assistir a um filme. Que bom, então, que a história e forte narrativa de Virginia o aproximam de um ótimo filme!

Jogado totalmente em primeira pessoa, o game da Variable State (publicado pela 505 Games) nos coloca na pele da agente novada do FBI Anne River, que é prontamente incumbida com a missão de encontrar um jovem desaparecido.

Logo fica claro que nem tudo é o que parece, e a história, que parecia tão simples, ganha ares surreais e sobrenaturais enquanto os carismáticos personagens se envolvem em uma rede de mistérios e conspirações.

O mais legal é que há bastante simbolismo e diversas interpretações possíveis dentro das cerca de duas horas de duração total do game. Isso é ótimo pois, embora o jogo não ofereça qualquer possibilidade de liberdade de escolha, e seja até linear demais, você não se sente preso ao design simples.

Objetivamente, a engine te leva pela mão o tempo inteiro. Os cortes de cena podem parecer abruptos, mas só acontecem quando você interage com determinado item ou leva Anne até o preciso ponto que leva a história para frente. Como não há enigmas ou obstáculos, a história corre naturalmente e sem tropeços.

Um dos pontos mais fortes do game é a sua marcante trilha sonora. A belíssima orquestração dá o tom perfeito às cenas, e merece ser apreciada com toda a atenção. É um contraste sob medida para os gráficos caricatos e estilizados que, com um uso inteligente da palheta de cores, conseguem pintar belos momentos.

Os poucos pontos fracos de Virginia (sua curta duração e gameplay sem desafios) não deveriam afastar ninguém do que é, sem dúvidas, uma das melhores e mais fortes histórias já contadas em um videogame.

Virginia – Nota: 4/5

Produtora: Variable State
Plataformas: PC, PS4, Xbox One
Plataforma utilizada na análise: PS4

Related posts

World of Fantasy Fantasy é um mundo de fofura

Thomas Schulze

Mario Tennis Aces | Um retorno em grande estilo

Hugo H. Pereira

Everything é um videogame sem igual

Thomas Schulze