Image default
Críticas Games

Salt and Sanctuary busca inspiração na série Souls e entrega experiência fenomenal

A série Souls é famosa pela sua dificuldade e desafios que capazes de tirar o sono de muita gente. Mas o que mais impressiona mesmo é que, mesmo punindo intensamente os jogadores, a série é dona de uma gigantesca fanbase.

E foi isso que permitiu e inspirou a Ska Studios a desenvolver Salt and Sanctuary, um dos jogos mais incríveis baseado nessa série fantástica.

 

O guerreiro e a princesa

Salt and Sanctuary começa em um navio e você faz parte da escolta de uma princesa. Mas, de repente, a embarcação é atacada e sua missão é garantir a segurança da realeza. Chegando uma sala antes, um monstro gigantesco aparece no seu caminho e, caso seja sua primeira vez, pode considerar essa batalha como perdida.

Ao acordar, você está na praia, sem saber o que aconteceu, mas você tem certeza que sua princesa está viva e que você fará de tudo para encontrá-la e salvá-la. E é dessa forma que se inicia o jogo e, a cada chefe passado, a missão que iniciou tudo isso vai se perdendo e vai caber a você jogar para saber se o herói realmente vai conseguir cumprir seu objetivo ou se as coisas vão mudar de rumo.

 

Todo glamour das sombras

O jogo se define também pela sua dificuldade, logo de cara já te joga contra inimigos fortes (no cenário do barco) e te dá um tapa na cara dizendo “você realmente é fraco”. Ainda bem que é apenas um tutorial e que as coisas vão piorar com o progresso do jogo…

Veja também:

– Análise: Dark Souls III traz o melhor da série de forma desafiante e grandiosa

Mas antes do jogo, temos que lembrar que é possível criar seu personagem, personalizando desde raça, cor dos olhos, cabelos e barba. Sua classe também define seu equipamento inicial, então escolha aquele que você se encaixe melhor no seu perfil e tome coragem para se aventurar no mundo dos sais e santuários. Garanto com toda certeza de que, independente da classe escolhida, é possível avançar bem no jogo — algumas vezes com um pouco mais de dificuldade mas, futuramente, o perrengue acaba sendo compensado.

salt-and-sanctuary-analise-playreplay-01

As bonfires de Salt and Sanctuary são os santuários. Você escolhe logo de começo qual vai ser sua religião, sendo possível realizar upgrades nela e ganhar mais itens a cada vez que for descansar no local. Tudo isso pode ser feito utilizando as pedras encontradas no mapa, como pedras guias, clérigos, líder, mago etc. Cada uma dessas pedras tem uma funcionalidade específica, e a dica é utilizar todas para que você conheça cada uma delas

 

Parecido não é igual…

Mesmo que tenha essas semelhanças com a série Souls, mesmo que apresentadas de maneiras um pouco diferentes, o Salt and Sanctuary possui um sistema único que mostra sua originalidade e que a série Souls serviu apenas como inspiração e referência na hora de criar o jogo.

Um bom exemplo são as armas encontradas no jogo: acostumado a jogar Dark Souls, fiquei horas jogando na esperança de encontrar equipamentos mais fortes. Mais tarde, acabei descobrindo que precisava evoluí-las para que ficassem mais fortes, e que jamais encontraria armas mais poderosas andando sem rumo pelo mapa.

Outra coisa que considerei bacana foi o multiplayer. Fiquei tentando descobrir como algum amigo poderia conectar-se para jogar online comigo quando me perguntei: e se eu conectar outro controle para jogar? Dito e feito: iniciei um jogo cooperativo local com meu irmão e nos aventuramos, cada um com um personagem de estilo diferente. Enquanto meu personagem tinha mais força e utilizava uma espada de duas mãos, o dele se garantia na agilidade, usando chicote e arco, no melhor estilo caçador.

salt-and-sanctuary-analise-playreplay-02

O único ponto “negativo” (entre aspas, mesmo, porquê não considero negativo a ponto de tornar o jogo nem um pouco ruim) é que esse multiplayer acaba facilitando muito as coisas. É claro que o jogo escala a dificuldade com um jogador a mais no mundo, mas ainda assim fica bem mais fácil fazer qualquer coisa com a ajuda de um amigo. E vale a pena lembrar que, uma vez invocado no mundo, o segundo jogador só sai quando desloga do game, ou seja, ele pode participar do começo ao fim da aventura.

 

… mas a atração é a mesma

Com toda certeza, Salt and Sanctuary tem potencial para te prender do começo ao fim. O jogo te desafia com todos os inimigos, testando sua capacidade de criar estratégias novas para cada novo adversário encontrado no percurso.

O fator replay com certeza existe, deixando aquela vontade de jogar novamente para fazer caminhos alternativos, utilizar armas novas e tomar decisões diferentes que podem mudar muita coisa na hora de jogar pela segunda (ou terceira, ou quarta) vez. E com tanta coisa disponível, não duvidaria nada de que a fanbase de Salt and Sanctuary fosse tão grande quanto a da série Souls. Realmente gostei tanto do game que torço para que haja uma continuação e esta se torne uma nova série.

Salt and Sanctuary é um dos indie games que mais esperei nesses últimos tempos. Com certeza o jogo atendeu a todas as minhas expectativas, fazendo com que eu recomende-o para todos os fãs da série Souls e ou para quem gosta de uma boa aventura e de ser desafiado pelo jogo. Se você se encaixa em uma dessas alternativas (ou até nas duas, por que não?!), deixo minha recomendação para que considere comprar essa obra prima para jogar do começo ao fim.

Por enquanto, Salt and Sanctuary saiu apenas para PlayStation 4, mas a produtora parece ter planos de lançar o jogo também para PCs pela plataforma Steam e para PlayStation Vita.

 

Salt and Sanctuary – Nota: 4,5/5

Desenvolvimento: Ska Studios
Plataforma: PlayStation 4

Related posts

Fortnite Battle Royale | Epic Games libera novo teaser da Temporada 6

Rodrigo Estevam

Gameplay demo de Bloodborne, da Gamescom 2014, é divulgado

Kate Silva

RPG tático Natural Doctrine chega em setembro nos Estados Unidos

Rodrigo Estevam