Image default
Críticas Games

Resident Evil 2 é a melhor homenagem que o clássico poderia ganhar

Jogos de terror tiveram seu ápice na década de 90 e nos anos 2000, com franquias que fizeram a gente borrar as calças a cada susto tomado com games como Fatal Frame, Silent Hill e Resident Evil. Porém, no decorrer dos anos, o gênero terror foi enfraquecendo, ganhando apenas alguns jogos de destaque. Até mesmo as nossas franquias amadas tomaram um rumo inesperado, deixando de lado o terror — ou o desenvolvimento dos jogos do gênero deixou a desejar.


Veja também:


Porém, nos últimos anos, o gênero terror parece estar ganhando seu brilho novamente, com a demo P.T. de Silent Hills fazendo muito sucesso, Resident Evil 7 se esforçando para entregar uma experiência mais assustadora e o recém-lançado Resident Evil 2 Remake prometendo ser um novo rumo para a franquia.

Leon já ta pronto pra entrar em Resident Evil 2

Como já disse anteriormente, Resident Evil tomou um rumo que os games acabaram tendendo mais para a ação do que um jogo de terror e sobrevivência, como havia sido feito originalmente. Mas com o lançamento de Resident Evil 7 e o remake de Resident Evil 2 a série parece estar mirando em voltar às origens. E o remake de Resident Evil 2 Remake realmente merece um destaque por toda essa re-transformação da série.

Revivendo Raccoon City

O novo lançamento da série da Capcom é uma remodelagem do clássico game Resident Evil 2 lançado originalmente para o primeiro PlayStation e o Nintendo 64. E, para manter o jogo interessante tanto para gamers que já jogaram o clássico como para novos aventureiros que não acompanharam a primeira aventura de Leon e Claire (é o meu caso), a Capcom refez não apenas os gráficos, mas também inúmeras mudanças para surpreender os dois grupos de jogadores.

A história continua basicamente a mesma: dois personagens estão indo para Raccoon City sem saber que a cidade já estava infestada de zumbis. Leon S. Kennedy é um policial novato e está indo para a delegacia para seu primeiro dia de trabalho. Já Claire Redfield é irmã do membro da S.T.A.R.S. Chris Redfield e, por conta disso, vai em busca do seu irmão (que desapareceu depois do primeiro Resident Evil). Ambos se encontram no posto perto da cidade, onde são atacados por zumbis e, após escaparem, decidem ir para a cidade para ver o que está acontecendo.

Os Cerberus voltaram para causar na sua jogatina, agora em HD!

Com gosto de nostalgia e novidade, o novo Resident Evil 2 mantém praticamente o mesmo layout dos mapas, porém inúmeras mudanças foram feitas no geral. Puzzles, por exemplo, foram totalmente remodelados, pegando de surpresa até o mais experiente dos jogadores. Por mais que o game seja um remake, é possível ser considerado um jogo completamente novo, mesmo que mantenha a mesma história de forma geral.

Falando em história, assim como no original, é possível escolher entre Leon e Claire para iniciar a aventura. Nessa primeira jornada, existem algumas diferenças mínimas entre o percurso dos dois, como as armas, por exemplo, Leon consegue a Shotgun e a Claire um lança-granadas no lugar. Eles se encontram algumas vezes durante a jornada, mas confesso que é menos do que eu esperava depois de ler muito sobre RE2.

Ao completar o modo história, você libera o modo Segunda Jornada do personagem oposto ao que você jogou, ou seja, complete a primeira aventura com Leon e libere a segunda jornada da Claire e vice-versa. Vale lembrar que esse modo, apesar de ser o mesmo cenário, é mais difícil que o normal, mudando algumas rotas e localização de alguns itens, encontrando mais inimigos e tendo munição reduzida.

Após completar esse modo, libera-se o famoso 4º Sobrevivente (4th Survivor), em que você controla Hunk, um agente secreto da corporação Umbrella que liderou uma equipe para levar William Birkin, criador do G-Virus, de volta à sede da corporação. Claro que tudo dá errado, a equipe acaba matando o cientista mas ainda coletam uma amostra do vírus. Nesse modo, você precisa apenas chegar ao ponto de extração do helicóptero para fugir da cena.

Birkin não autorizou a Claire de levar a Sherry pra longe dele!

Mas não é tão simples quanto parece, você apenas pode contar com os itens em seu inventário, não tendo saves, acesso ao baú de itens e nem mesmo encontrará itens e munições durante a missão. E, pra finalizar, completando o modo você libera a versão Tofu dele, onde você controla um Tofu gigante, membro da S.T.A.R.S. e pode utilizar apenas faca. Boa sorte!

O retorno ao horror

Resident Evil 7 veio trazendo de volta as coisas que mais amamos na franquia, como sobrevivência e o medo de se aventurar pelos corredores. Porém, mesmo não apresentando zumbis, conseguiu conquistar muitos fãs. Já o remake de Resident Evil 2 traz de volta tudo o que sentimos na época em que os primeiros títulos da série Resident Evil chegaram aos consoles. Mesmo não tendo jogado a versão original de RE2, tive a oportunidade de poder desfrutar dos outros jogos da série e, com certeza, a sensação de medo e pavor durante o jogo deve ter sido a mesma.

A sensação de jogar a versão remake de Resident Evil 2 é incrível, você fica tenso o tempo todo, a cada susto tomado e preocupado com cada bala gasta para matar ou apenas atordoar os inimigos para avançar. Durante a primeira jogatina na história do Leon, confesso que dei alguns gritos e soltei alguns xingamentos de nervoso para cenas de surpresas e inimigos inusitados aparecendo onde não foram chamados.

Claro que isso se deve a toda ambientação e clima construídos durante a jogatina. Os cenários finalmente possuem iluminação adequada para um jogo de terror, coisa que não era possível durante a geração do primeiro PlayStation. Joguei o game todo com as configurações que o próprio game indica, ou seja, nas áreas que os personagens utilizam a lanterna para iluminar o caminho, apenas o que a luz tocava conseguia enxergar, o resto era escuridão pura. Então cada grunhido do zumbi que eu não via era um novo momento de tensão.

Mr. X ta putaço por colocarem esse chapéu nele!

Além disso, vale dizer que todos os inimigos foram remodelados para poder se adequar ao novo clima retratado no remake e, para ser bem mais realista, modelaram os zumbis utilizando os próprios desenvolvedores, ficando mais tenebroso ainda. As outras criaturas, apesar de não conseguir ver tão bem os detalhes delas por estar fugindo praticamente o tempo todo, são bem assustadoras. Depois de liberar o modelo delas no modo Extra do jogo, é possível ver os detalhes das criaturas, uma mais monstruosa que a outra.

A versão do jogo que utilizamos, cedido pela Capcom, contava com os bônus incríveis como a clássica arma de Albert Wesker de sua época de líder da S.T.A.R.S., a possibilidade de aprofundar mais ainda o nível nostálgico do jogador com a trilha sonora original e novas roupas com possíveis referências à outras séries, games e até mesmo de uma versão de Resident Evil 2 1.5, game que seria o RE2 original se não fosse descartado no meio do processo de desenvolvimento e refeito com cara do RE que conhecemos.

O único ponto negativo de tudo isso é a questão de tempo de jogo. Em minha primeira jogatina, foram um pouco mais de 9 horas para completar a primeira parte da campanha, o que foi até um bom tempo de jogo. Porém, nos outros modos, ele cai para 5 horas e até menos, já que, como todo Resident Evil clássico, é questão de decorar os caminhos certos a serem percorridos e otimizar esse tempo. Mesmo contando com 3 modos diferentes, a história principal, a segunda jornada e o 4º sobrevivente, é possível completá-la de forma rápida, sobrando apenas os liberáveis que requerem mais habilidade para conquistar. Isso se deve por ser um remake de um jogo onde essa média de tempo era normal na época, mas estamos em um ano onde games e gamers estão acostumados com aqueles jogos que duram mais que isso.

Afinal, o novo modo de jogo ou o antigo?

Como disse, muitas mudanças foram realizadas nesse remake, inclusive podendo ser considerado um novo jogo, já que as mudanças foram intensas. Como era de se esperar, também a gameplay evoluiu, não contamos mais com aquela câmera fixa para causar mais pânico numa época onde a capacidade gráfica era pequena. Dessa vez, combinou a gameplay apresentada em Resident Evil 4, combinando bem com a forma de jogatina que novos jogadores possam se adaptar.

A coisa ficou feia pra Claire agora

O remake de Resident Evil 2 consegue trazer a grandeza e o peso que a franquia merece e, com relatos até de fãs da versão original de RE2, posso dizer que a Capcom é excelente em criar remakes. A história se repetiu como em Resident Evil Remake (a versão refeita do primeiro jogo da série) e, mesmo sendo mais ousados em mudar a forma de jogo de um game já conceituado no mundo gamer, a homenagem feita para esse grande clássico, com certeza, entrou na lista de um dos melhores games da série, podendo até retratar como um novo recomeço para a série, mas isso é assunto para uma outra postagem.

A experiência de poder desfrutar Resident Evil 2 pela primeira vez através do remake para mim com certeza foi mais que positiva, dando esperança para um renascimento incrível da franquia, podendo ter a mesma força que tinha durante a minha infância. Para os nostálgicos de plantão, a emoção bate mais forte ainda ao jogar essa releitura do segundo jogo, além das grandes surpresas incríveis que apenas jogando para saber.

[rwp-review id=”0″]

Related posts

Pokémon Let’s Go Pikachu e Eevee são bons aperitivos para a próxima gen

Thomas Schulze

Fortnite Battle Royale | Onde encontrar os 7 Gnomos Famintos

Luciana Anselmo

Akiba’s Trip: Undead & Undressed tem vampiros seminus em Akihabara

Rodrigo Estevam