Image default
Críticas Games

Minecraft Story Mode constrói uma bela narrativa

Nos últimos anos a Telltale Games ganhou notoriedade ao adaptar os mais diversos universos para o mundo dos adventures para computador. Foi assim que ganhamos grandes obras derivadas de séries improváveis como The Walking Dead, Game of Thrones e The Wolf Among Us.

Entre tantas ideias malucas, poucas foram tão ousadas e bem sucedidas quanto a adaptação de Minecraft. Afinal, diferente dos games anteriores, o sucesso da Mojang não tinha exatamente o que poderíamos chamar de uma grande história para ser adaptada.

O minúsculos lore, com todos os seus creepers e criaturas da noite, servia apenas como uma desculpa para permitir que o jogador brincasse de construir as mais ousadas obras que sua imaginação pudesse conceber.

LOJA PLAYREPLAY

Onde alguns viriam limitações, a Telltale viu oportunidade para criar um novo universo repleto de situações engraçadas, diálogos divertidos e uma trama cativante, seguramente uma das melhores em seu invejável currículo.

Assumindo o controle de Jesse, você e seus amigos precisam salvar o mundo. Tudo começa na EnderCon, quando o terror se espalha. O jeito, então, é buscar a famosa Order of the Stone, um grupo de lendários heróis que acabaram com o Ender Dragon, mas que desapareceram do mapa.

A busca pelos aventureiros vira uma corrida contra o tempo e se espalha por cinco episódios (vendidos separadametne e também em versão física), um mais divertido do que o outro. Ao fim da aventura, fica aquele gostinho de quero mais e a sensação de que o fascinante universo de Minecraft ainda esconde outras narrativas arrebatadoras. Que venha a segunda temporada!

Minecraft Story Mode – Nota: 5/5

Produtora: Telltale
Plataformas: PC, PlayStation 3, PlayStation 4, Xbox 360, Xbox One, Wii U, mobile

Related posts

Xperia Z3 terá recurso Remote Play do PS4

Kate Silva

Master Chief Collection ocupará 65gb do seu HD, sem dó e nem piedade

Eidy Tasaka

Os Incríveis 2 | Uma sequência incrível, mas não tão emocionante

Hugo H. Pereira