Image default
Críticas Games

Beat The Game mistura elementos abstratos e surreais com música

Faz um bom tempo que jogos com temas musicais ganharam popularidade, sendo que o mercado até acabou ficando meio saturado com games muito similares ou com visual parecido. Entre os grandes títulos, foram os jogos independentes que acabaram se destacando nos últimos anos, sendo que o recém lançado Beat The Game um bom exemplo disso.

Em vez de visuais coloridos, movimentos de dança ou música tocando ininterruptamente, esse jogo possui um estilo único. Logo no início do jogo, vemos Mistik,  nosso personagem, se envolvendo em um acidente de moto em um deserto. É claro que logo percebemos que este não é um deserto comum, já que há várias coisas flutuando, um olho gigante com asas e vários objetos que você pode coletar ou interagir.

Após vagar um pouco pelo cenário surreal, você percebe que a única coisa que pode fazer é pegar certos sons que for encontrando para começar a fazer um tipo de show musical. Muitos desses sons podem ser pegos facilmente, enquanto outros precisam encontrados com o scanner especial de Mistik em objetos flutuantes.

Esta acaba sendo grande parte da jogabilidade de Beat The Game, até porque o jogo não possui uma história ou outros objetivos específicos. Neste sentido, a natureza abstrata do deserto em que nos encontramos acaba representando muito bem o game neste aspecto.

De qualquer forma, quando conseguir juntar pelo menos 24 sons diferentes, você já poderá começar a fazer suas músicas com o seu mixer, que pode ser usado a qualquer momento. O mais interessante é que a maioria desses sons que encontramos não são de instrumentos musicais e isso acaba fazendo parte do charme de criar suas canções com de maneira tão inusitada.

Há inúmeros jeitos de combinar os seus sons, então dá para fazer músicas mais agitadas ou algo mais calmo para ir tocando como trilha de fundo, por exemplo. Assim, mesmo quem não tem experiência com a criação de música, pode conseguir fazer algo interessante. No fim, você ainda terá a chance de brilhar no show final, onde o próprio game te guiará e mostrará quando ativar seus sons de maneira mais harmoniosa.

beat-the-game-analise

Outro ponto importante a se mencionar é o o estilo artístico do jogo, que é bem bonito e traz um carisma extra para nossa pequena aventura no deserto. Fãs de artistas surrealistas certamente se sentirão e casa, mesmo que jogos musicais não sejam seus preferidos.

Ainda assim, não dá para dizer que o jogo leva muito tempo, seja para colecionar os sons ou para mixá-los da maneira que achar mais conveniente. Em pouco mais de uma hora, você já terá visto boa parte do que o game tem a oferecer, mas o título dá pistas de uma continuação, o que virá provavelmente com atualizações futuras.

Caso goste de jogos musicais, mas esteja cansado dos clichês do gênero, Beat The Game pode ser uma boa surpresa. Além disso, ele também é um jogo bem relaxante e possui um estilo único que vale a pena conferir!

 

Beat The Game – Nota: 3.5/5

Produtora: Worm Animation
Plataformas: PC, Mac e Linux
Plataforma utilizada na análise: PC
Produto cedido para análise: Sim

Related posts

PES 2019 | Milton Leite comandará a narração ao lado de Mauro Beting

Weslley Domingues

Fãs de Silent Hills recriam a demo do PS4 para o PC

Luciana Anselmo

Mortal Kombat X terá mecanismo diferente para punir má conduta em modo online

Kate Silva